>  O céu não está caindo e suas ferramentas também não devem cair

Esta matéria apareceu primeiro na revista EHS Today e é reproduzida com permissão. Leia a revista integral em www.ehstoday.com

Para tudo que estiver em alturas, incluindo seres humanos, o foco sempre deve ser impedir que as coisas caiam em vez de apanhar objetos ou limitar os danos após a queda. 

A queda de objetos tem sido um problema desde quando a força da gravidade existe e escreve-se sobre isso há pelo menos um século. Aliás, o New York Times, publicou uma matéria em 1903 sobre a queda de objetos em que disse: “Dezenas de letreiros afixados em vários locais na ponte aconselham os metalúrgicos a terem extremo cuidado no manuseio de ferramentas para evitar a queda delas no rio”.

Contudo, aqui estamos hoje, tendo exatamente a mesma conversa. E, com o número de coisas que estamos deixando cair, é surpreendente que mais pessoas não estejam se machucando. Há mais de 50,000 “atingidos por objetos em queda” registráveis pela OSHA a cada ano nos Estados Unidos, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. Isso significa uma lesão causada pela queda de um objeto a cada 10 minutos. 

Apesar das estatísticas da OSHA, e do fato que muitas dessas violações poderiam ter sido evitadas com o equipamento de segurança adequado, muitos empreiteiros não tomam as precauções necessárias para prevenir lesões relacionadas a quedas por meio do fornecimento aos trabalhadores de sistemas individuais de proteção contra queda de trabalhadores e suas ferramentas. 

Os perigos das quedas de objetos

Todos os acidentes podem ser evitados? Menos de 25 por cento dos trabalhadores da construção pensam que os acidentes podem ser evitados. Embora isso seja discutível, o que está claro é que os trabalhadores muitas vezes consideram-se vítimas dos acidentes e não a causa deles.

Há um vídeo on-line fascinante no qual trabalhadores no Rio de Janeiro estão consertando a estátua do Cristo Redentor que tem 38 metros de altura depois de ter sido atingido por um raio. No vídeo, os trabalhadores estão amarrados, mas estão usando um martelo e uma talhadeira que não estão presos e abaixo está uma multidão de pessoas. No meio do vídeo, um dos trabalhadores atende uma ligação do filho dele no telefone celular, que também não está preso.

Para determinar o tipo de força que a queda de um objeto de uma determinada altura gera, podem ser feitos cálculos de física da gravidade. Por exemplo, se uma chave inglesa de 3,63 quilos caísse 200 metros, atingiria um obstáculo com uma força de 2,833 libras por polegada quadrada, o equivalente a um carro pequeno atingindo uma área de 6,45 centímetros quadrados.

Não é preciso dizer que se aquele trabalhador na estátua no Rio de Janeiro tivesse deixado cair o martelo e o martelo tivesse atingido um visitante, isso provavelmente teria causado uma fatalidade.

Em outro exemplo, um homem entregando uma placa de pedra em uma construção em Jersey City nos EUA foi morto por uma trena. O prestador de serviços de uma empresa de caminhões estava encostado na janela de um carro para falar com alguém e quando ele puxou a cabeça para fora, ele foi atingido por uma trena de quinhentas gramas que tinha escorregado das mãos de um trabalhador 50 andares acima.

Leia mais para saber sobre as 15 melhores práticas e soluções para as organizações quando se trata da prevenção da queda de objetos e como podemos mudar nossa perspectiva sobre a queda de objetos.

A 3M Fall Protection combina os produtos e o conhecimento da DBI-SALA® e da Protecta® com a tecnologia e a inovação da 3M, para elevar a segurança a novos patamares e manter os funcionários confortáveis, confiantes e seguros sempre que trabalharem em altura. Confira nossos produtos e serviços em 3M.com/FallProtection.
Powered by Translations.com GlobalLink OneLink Software